sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

ENERGIA ACUMULADA.

             
O que eu tenho?  energia acumulada rsrs. A alguns dias que a minha vida ficou parada demais, que bom em parte rsrs, mas também um pouco entendiante,  sem nada para fazer, tentei arrumar a casa com  minha funcionaria , quase ela se demite rsrs. Limpamos a casa juntas, está tudo limpíssimo. Ontem resolvi ir  ao shopping , assim foi feito, comprei um monte de inutilidade, depois foi  ficar escutando a minha filha exclamando onde vai colocar isso rsrs,  Eu não sei ser caseira, admiro muito que consegue ficar em casa o dia toda, assistindo tv, etc.  Mas essa não sou eu,  gosto de ficar em movimento o tempo todo , gosto muito de ficar  no virtual mais como complemento,  depois de um dia cheio, ou no começo do dia antes de começar o dia  rsrs.  Namorado ausente em outro lado do mundo, minha filha cansada depois de dias longos de estudos,  é nessa hora que os amigos como dizem entram em cena rsrs.  É bom demais ficar rodeada dos meus pequenos sobrinhos que animam o meu dia,  os meus amigos que nós fazem sorrir tanto off como virtual,   uma filha que mesmo cansada ainda me acompanha na esteira e a dança, ultimamente sei que estou passando um pouco do limite, mas é o que está me distraindo, andar, dançar zumba e impedi que fiquei ainda mais fora do peso, porque estou comendo demais rsrs. Nem preciso dizer como estou, mas mesmo assim eu digo ótima...... rsrs .  A todos um final de semana animado.
                                                    Meu amigo[a]
                                 
 
Frase bem a cara da minha filha hoje rsrs.

Para o Eduardo que me diz que dormiu com o cachorro esse més todo, me pergunto sera?  rsrs

Logico tudo isso é uma brincadeira, eu os amo rsrs.
Para meus amigos off rsrs.

Para a minha família  nesse final de semana, estou zoando, pois dizem que toda festa que eu dou algumas pessoas já chegam bebendo rsrs.

Para Dalila.


segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

ULTIMA PARTE DOS RELATOS ANTERIORES COMO PORTADORA DE FEOCROMOCITOMA.


Continuação dos relatos do feocromocitoma
 do começo ate aqui- Ultima parte.
                  
Meus últimos cinco anos conheci o ambulatório de hipertensão, cheguei ao consultório com a pressão sem controle, tendo crises hipertensivas diárias, não somente em crises de feocromocitoma . Achei o responsável pelo ambulatório uma pessoa centrada e competente. Ele iniciou novas medicaçoes, foi muito dificil a minha primeira entrada nesse hospital, todos os hospitais no inicio é muito dificil para mim, pois as minhas alergias sempre no inicio são vista com suspeita, afinal a minha lista é imensa. No primeiro internamente eles não conseguiram controlar a dor epigástrica, pensei em buscar outra alternativa para controlar as crises, terminei essa crise em outro hospital, mas também foi la que foi observado que as medicaçoes inicias que ele tinha prescrito tinha controlado parcialmente a hipertensão, com isso resolvi contornar esse primeiro fracasso. Assim foi feito, com o acompanhamento diário e acréscimo de medicamentos foi cada vez mais controlado as minha crises. Nada foi fácil, mas fui levando. Tive que fazer uma dificil escolha sair de crise nessa instituição onde a analgesia deixava a desejar, mas o atendimento cardiológico era bom, se ocorre-se alguma complicação eles agiriam, ou passar no exercito onde eles não me deixavam com dor, mas era internamentos cheio de estresse, com isso sempre ocorria mais picos hipertensivos graves. Foi nesse situação que tive uma melhora acentuada, onde as crises passaram a ocorre com menas frequência. Assim foi durante esses últimos anos, no meio desse período coloquei um port-a-cath pela dificuldade que tinha em pegar acesso venoso, assim evitando mais sofrimento. Também fiz algumas angioplastia.  Nesta época parei de trabalhar, já tinha uma vida equilibrada, estável financeiramente, não tinha porque continuar trabalhando e me expondo a mais crises, com isso passei a ter uma vida mais calma, assim as crises sem estresse externo e esforço físico passei a ter menas crises. As ultimas foram horríveis, demoraram muito e com muita dor, mas nesse momento nesse hospital que eu sou acompanhada até hoje melhorou a analgésica, enfim estou viva. Sem nenhuma complicação da doença, como avc, infarto etc. Vivo com a minha filha, minha irmã que tem problemas aos meus cuidados, namoro a dois anos com uma pessoa especial, que vive em outro estado. Tenho uma família agora unida, tenho três sobrinhos que amo demais, são eles que ajudam a preencher o meu tempo livre, pois eles amam ficar comigo e eu com eles. A minha filha está bem, é a minha melhor amiga, saímos com frequência para curtir a vida,  agora com  planos de viajar conhecer os países que ainda não conheço, mas essas viagem tem que coincidir com as atividades da minha filha e a ausência de sintomas . Quando as viagem estão programas acontecem algo grave familiar, que me impede de realizar, mas irei  programar novamente e sairemos pelo mundo rsrs. Sobre a minha cirurgia eu não achei quem quisesse operar, durante esse meus últimos cinco anos, retornei para São Paulo, mandei uma pasta com a minha historia clinica para vários lugares, tive alguns retorno mais nenhum com noticia favorável. Agora mantendo uma conduta conservatória e aproveitando a vida. A minha ultima crise que necessitei de cuidados médicos foi em outubro, depois dessa crise tive uma grande melhora passei até a suspender as medicaçoes de uso continuo, depois entrei em uma crise leve mais ao repor as medicaçoes foi controlada sem entrada em hospital, depois com o controle novamente da hipertensão, foi suspenso novamente as medicaçoes, hoje uso apenas dois anti-hipertensivos, isso sim é um verdadeiro milagre rsrs. Mas sei também do risco de entrar em crise sem o uso dessas medicaçoes, mas tenho fé que dará tempo de repor a tempo de entrar em uma crise grave, como já aconteceu anteriormente, assim que surgiu os primeiros sintomas iniciei e ainda parou a crise, logico que eu sei que tudo isso foi providencia divina.  No final da semana passada escorreguei no banheiro, machuquei o cotovelo, mas o feocromocitoma ficou quetinho,outro milagre rsrs. Que ele continue dormindo rsrs. Sempre tive um controle sobre a minha vida, não posso evitar uma descarga de adrenalina, mas posso sim, aliviar as consequência dela, acreditando que temos um Pai que nos ama e cuida de nos.

Alerta. Cada caso é um caso, a conduta certa para paciente com feocromocitoma é a cirurgia, só quando essa não e possível, que devemos aceitar a aproveitar a vida. Todos dizem que eu dou muita sorte, sorte que nada rsrs. O mérito de eu esta viva e com qualidade de vida é exclusivamente de Deus na minha vida. Não podemos cruzar os bracos e não fazer nada, devemos olhar a vida positivamente, acreditar que com a ajuda de Deus vai surgir uma solução. Mesmo que o medico desista, ele pode, você não. A sua vida que esta em jogo, desistir de controlar a sua hipertensão pode significar o fim. Não temos o direito de desistir, talvez o final feliz seja só seguir em frente.


Amigos (as).
Foi durante esse últimos anos que conheci também vocês, muitas amizades virtuais que são dadiva na minha vida. Nas próximas postagem voltarei a postar imagens minha e dos meus amores, tem um tempinho que não faço isso, mas é que a minha vida apesar de está fora de crise, teve varias reviravoltas, mas enfim aqui estou a cada dia um passo até conseguir realizar todos os meus planos já agendados. Um grande abraço a cada um de vocês, obrigada pela paciência de quem acompanhou as postagem que relatei o meu incio ate aqui como portadora de Feocromocitoma.

 

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

PORTADORA DE FEOCROMOCIOTOMA -EVOLUÇAO PARTE 4


Continuação dos relatos do feocromocitoma
 do começo ate aqui- Quarta parte.

         
Meu irmão ao 44 anos foi  a óbito com suspeita clinica de feocromocitoma.  Ele morreu decorrente de uma hemorragia que nenhum medico conseguiu detectar a tempo a origem. Foi depois dessa ocorrência, que busquei saber tudo sobre essa doença. Tudo mudou depois que procurei saber tudo sobre essa patologia. Depois disso tive varias tromboses, infecção que colocaram a minha vida em risco, mas depois de anos convivendo com o feocromocitoma,  eu  aprendi a lidar com ele e com a vida. Passei o ser o que sou hoje, uma pessoa que não teme  nada, que pensa que a morte é apenas uma passagem para outra vida, que tem a consciência que a vida é o bem mais precioso que tempos e que jamais deixará que nenhuma experiência por mais traumática que seja retire a vontade de viver. Até aqui eu já tinha perdido meus pais ambos por doença cardiovascular, um sobrinho de 2 anos, meu irmão por feocromocitoma, esse que eu relato. Pois, depois perdi mais um irmão por câncer de laringe. Em seguida meu ex marido por aneurisma,  Depois disso a minha irmã apareceu morta em seu apartamento ( Até agora ainda não se sabe o que realmente aconteceu). Claro que a cada luto eu sofri, afinal eu os  amava, Uns com mais intensidade que os outros. Compreendo que eles nasceram, viveram o tempo que estava destinado por Deus e partiram quando Deus permitiu. É isso que me faz me recuperar mais rápido das perdas. O contrario de minha filha, que por medo de me perder teve problemas emocionais e com isso eu sentir bem de perto a minha morte, nem sei como sobrevivi. Pois ela é a minha vida. E quando pensava que não aguentaria passar por o meu pior problema diante de tudo o que eu tinha passado, ela reagiu. Agora estou novamente de luto a quatro meses, mas com a minha filha ao meu lado bem, seguindo a sua vida. Sei que parece um filme a minha historia, mas tudo aqui é pura verdade, algumas pessoas ainda me peguntam como consigo viver tão de bem com a vida. Porque eu amo... E quem se ama e ama a Deus, aceita os seus desígnios e  ama a tudo ao seu redor, inclusive é claro as pessoas rsrs, sempre serão felizes independente do que passem.

Alerta: Essa doença é imprevisível. Quem tem um fecromocitoma, não pode esquecer que ele está dentro de si, deve tentar ao máximo evitar descadear uma crise.  Acho também que é necessário está sempre de bem com a vida, como isso é possível? É simples seja grato (a) por esta vivo(a). Ame, esse sim é o mais importante. Tenha sempre um atitude positiva diante da vida, todos nós passamos por problemas, uns mais que os outros, mas todos nós tempo a possibilidade de sermos feliz.


- O QUE É FEOCROMOCITOMA. 

O feocromocitoma é um tumor de ocorrência rara, que pode originar de qualquer parte do organismo onde existe tecido só sistema nervoso simpático (tecido cromafin), sendo mais freqüente em topografia de supra-renais e gânglios para-aórticos. Cêrca de 90% dos tumores originam-se das células cromafins da camada medular das glândulas adrenais (figura), sendo 7% desses bilaterais, 10% múltiplos, localização preferencialmente em espaço atrás do pâncreas (retropancreático), intestino, próstata e bexiga. Diagnóstico – A confirmação diagnóstica é através da bioquímica e possível em praticamente todos os pacientes. O exame dos produtos da catecolaminas ( ácido vanil-mandélico(VMA) e metanefrinas (MET)) na urina faz o diagnóstico em 95% dos casos. Nos últimos anos, a utilização de análise radioisotópica através do I-131-meta-benzilguanidina, cuja estrutura farmacológica e semelhante a norepinefrina, e possuindo afinidade pelo tecido cromafin, entrando neste tecido de maneira semelhante ao hormônio natural, tem melhorado sensivelmente a capacidade diagnóstica, principalmente dos tumores de localização extra-adrenal e das metástases, outra de difícil detecção. Tratamento – O tratamento é cirúrgico com remoção do tumor, mais nem sempre isso é possível. 
Texto retirada do Google.
   -       TABELA DOS SINTOMAS.



Pode ocorrer também hipotensão ortostática , aumento de glicemia durante as crises, febre, distensão abdominal, inapetência, coagulopatias, todos os sintomas de uma crise adrenérgica, todas as complicações de ser portadora de uma hipertensão, muitas vezes de dificil controle. Durante todas as crises os pacientes dessa patologia serão exposto a risco de vida, pela rapidez e gravidades dos picos hipertensivos. 

Amigos(as). 

Na minha próxima postagem encerra esses relatos do que eu passei como portadora dessa rara patologia. Só farei a ultima na segunda feira. Não pensem que vivo em função de doença, jamais. Tudo ate aqui escrito para mim é passado. Eu estou viva, a minha filha também. Vivo a minha vida de uma forma equilibrada, normal fora de crise, mas foi depois que percebi que o principal motivo do blog estava sendo esquecido, pelo tempo que não postava nada sobre essa doença. que decidir contar a minha evolução clinica até esse momento. Nesse momento da minha vida estou sem sintomas e feliz. Um lindo final de semana para todos.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

PORTADORA DE FEOCROMOCITOMA - PARTE 3


Continuação dos relatos do feocromocitoma
 do começo ate aqui- terceira parte.

Essa fase foi com certeza a pior parte da minha historia. Sentia tanta dor física nesse época que nem sei como sobrevivi. Tive inúmeras pneumonia, hemorragia, convulsões e inúmeros internamentos. Enfim, foi a época em que o feocromocitoma ficou mais ativo. Provavelmente por está com estresse externo - Que não era a causa dos sintomas, mas contribuir para o feocromocitoma ficar mais ativo. - A minha filha ainda era uma criança e eu era imatura, ingenua, inocente,  não tinha  experiencia alguma de como as pessoas poderiam ser traiçoeiras. Quando a posse pelo dinheiro deixa de lado qualquer sentimentos.  Não vou entrar no lado pessoal dos meus problemas dessa época, afinal o que pretendo relatar é o meu quadro do feocromocitoma. Em resumo tive a perda da minha mãe, com isso houve disputa de herança, foi chocante ser traída por pessoas que eu confiava, tinha diagnostico de Feocromocitoma pelo exames de sangue, urina (exame de catecolaminas). Todavia o tumor não era detectado. Para a dor abdominal tive nessa época tantos diagnósticos errados que nem sei se me lembro de todos. (Abdome agudo, porfiria, gastrite, esofagite e etc) Eles pensaram em tudo menos o obvio que essa dor era secundaria ao feocromocitoma. Uma dor epigástrica fortíssima, era a pior dor que eu tinha sentido na vida, não respondia a nada, chegava a tomar os mais fortes medicaçoes e durante a crise nada. Aliviava enquanto os remédios  - analgésicos - faziam efeito, depois voltava com a mesma intensidade. A minha filha ainda uma criança presenciava  tudo: Desmaios, convulsões, dor e etc.  As vezes eu parecia que estar a beira da morte,  só conseguia ir ao banheiro e voltar. Como pensei que a situação não poderia piorar, os médicos começaram a achar que eu era dependente química a medicação opioide. Essa sim foi uma situação critica, eu não sabia na época nada sobre feocromocitoma e pelo o que eu passei eu afirmo nem os médicos sabiam, não sabiam nem que esse tumor poderia causar dor epigástrica. Eu sabia que não tinha dependência alguma, mais por esse motivo era submetida a ironias de enfermeiras e desconfiança dos médicos. O que passei me deixou no fundo do poço, mas precisava continuar lutando pela minha vida, pois tinha a  minha filha que precisava de mim e minha irmã sobre os meus cuidados.  Comecei a ficar horrorizada quando sentia que a dor não iria ceder em casa, ir para o hospital passou a se temido ainda mais do que a dor. Porque primeiro me separava da minha filha, depois sabia que seria submetida a muitas coisas. - Pensei até em postar algumas coisas que passei, mas depois  desisti,  não iria se útil para ninguém.  -   Mas com certeza absoluta se fosse hoje com a minha maturidade moveria vários processos, muitos não exerceria mais a profissão. Diante de um relatório de uma medica psiquiatra ( chamada para avaliar a possibilidade de dependência). Ela não apenas descartou dependência química ou psicológica, mais me instruiu a buscar auxilio hospitalar todos as vezes que precisassem e que processa-se todos os médicos que fosse negligentes.  Por ela trabalhar no mesmo hospital fiquei bastante surpresa com a sua reação, mas ela foi extremamente sincera do que achava dos fatos. Depois dessa avaliação passaram a usar a droga em quantidade  bem maiores, mas nada disso resolveu a minha situação.  O quadro ficava casa fez mais grave. Foi quando eu conheci outra clinica da dor e essa sim competente. Onde o responsável era humano, competente, cuidadoso e que  a todo o momento lutava para me  deixar sem dor. Fez de tudo que estava ao seu alcance, devo a ele e sua equipe uma eterna gratidão pela confiança depositava, pelo carinho que o tempo todo fui tratada. Mas mesmo diante de um tratamento extremamente humanitário pela essa clinica da dor,  a dor nem os sintomas passava, resolvi ir para São Pauloe com apenas um dia no INCOR fiz dois exames que concluíram o meu diagnostico definitivamente (a cintilografia com MIBG, e um Pet-Scan.). Eles também me explicaram que todos os sintomas que apresentava era do Feocromociotoma, todos inclusive o que mais me incomodava, que tinha retirado de mim anos da minha vida, que quase  me fez desistir de viver. A dor epigástrica que eles tratavam completamente errado, era afinal mais um sintomas dessa doença. Entretanto, me deram também a noticia que era um tumor em um local atípico, Feocormocitoma na supra-vesical e provavelmente tinha também outro tumor na tireoide,. Enfim, não era possível operar. Mas eu tinha um diagnostico e com certeza fiquei feliz por finalmente saber o porque dos meus sintomas e a localização exata do meu tumor.  Só depois da morte do meu irmão provavelmente pelo o feocromocitoma que eu busquei saber tudo sobre essa doença.  Por que logo no inicio eu não busquei pesquisar eu não sei, na época eu acreditava que os médicos sabiam tudo. Só quando percebi que nem sempre é assim, foi que mudei o rumo da minha vida.  Mas mesmo sabendo muita coisa sobre Feocromociotoma, nos próximos anos tive complicações dessa doença, continuação na próxima postagem.

Amigos (as). 
Desculpa-me as postagem longas e cansativas, mas como comecei vou até o final, isso é relatando como foi ate aqui, como costumo dizer ate aqui me ajudou o Senhor.
Uma feliz noite.

 

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

PORTADORA DE FEOCROMOCITOMA - RELATO DA EVOLUÇÃO - 2 PARTE.

Continuação da postagem anterior relatando a minha historia como portadora de feocromocitoma.

Entre os dezessete e vinte e cinco anos, tinha em media cinco crises ao ano, crises leves comparada ao que eu já passei até aqui, mantendo a minha vida normal dentro do  possível. Com vinte anos fiquei noiva, estava em um fase boa da minha vida, mas os sintomas aumentavam e por mim eram ignorados, afinal, procurava os médicos e nenhum dava as respostas que eu tanto procurava que era a causa  dos meus sintomas. Nessa época os médicos tinham outro diagnostico - errado - para justificar alguns sintomas, disseram que era da endometriose a minha dor pélvica. E foram além, falaram que com uma gravidez iria melhorar os sintomas e como já pretendia me casar e ter filhos, só acelerei um pouco esse processo. Realmente, por ironia do destino realmente a minha filha salvou a minha vida em todos os sentidos. Primeiramente, na gravidez o meu quadro se agravou e tive uma gravidez dificílima. Durante a minha gravidez tive mais um diagnostico errado. Eu estava na ambulância de volta para o hospital do exercito, pois tinha sido encaminhada para a realização de um exame fora, quando a minha curiosidade quase me fez perder a vida. O resultado de exame estava bem próximo, então resolvi ler o que estrava escrito. "Feto em 27 semanas com assimetria cerebral". E com isso tive uma grave crise hipertensiva dentro da ambulância, precisaram parar para me da assistência. A minha filha mesmo dentro na minha barriga era minha vida. Depois com calma os médicos explicaram que não saberiam dizer qual a área dela seria atingida, talvez não anda-se, talvez tive-se dificuldade no aprendizado e muitas outras graves suposições. Eu orava dia e noite,  passei o resto da minha gravidez com um sombra negra. Quando a minha vida ficou em risco, todos queria que interrompe-se a gravidez... Deixei bem claro a minha opinião, queria a minha filha independente de como ela nasceria. Um medico de fora pegou plantão no exercito, ele foi chamado para me atender no quarto do hospital, após controlar mais um vez a minha pressão. Conversou um pouco comigo, falou que iria me transferir para um hospital que a minha filha tive-se chance de sobreviver, foi o primeiro medico que dirigiu a ela como a minha filha, não como um feto. Assim foi feito, passei 2 meses no outro hospital. Final feliz para as duas, felizmente. foi na gravidez que os sintomas foram mais investigados e depois ela foi a força que me fez enfrentar tudo com otimismo e amor a vida. Foi na minha gravidez que descobrir que tinha feocromocitoma, mas o diagnostico estava longe de ser concluído, pois apesar dos exames laboratórias confirmarem o diagnostico, os exames de imagens simples não detectavam o tumor. Após a minha gestação também tive graves complicações, sobrevivi a minha gravidez, ao parto com grande dificuldade, a minha vida ficou em risco quase o tempo todo.  Ela nasceu prematura, mas neurologicamente saudável, ainda teve tramatismo pela falta de habilidade do medico ao retira-la da minha barriga, ficando os seus dedos na cabeça dela, mesmo assim foi intensamente investigada em busca de alguma assimetria cerebral e nada, o cérebro da minha filha era completamente normal. Milagre divino? erro de diagnostico do exame? O que importa, é que ela é completamente saudável. Como prematura teve vários problemas durante o seu primeiro ano, o mais grave foi o refluxo que nós fez cria-la na colo. Ela ate 2 ano não pode ser colocada no berço, pois aspirava e tinha pneumonia de refluxo. Durante as noites reversarmos, a minha família me ajudou e muito a conseguir passar por essa fase. Depois dos 2 anos foi uma criança completamente normal, porem muito alérgica.  Fiz nessa época um curso de enfermagem, para aprender a lidar com os sufocamento da minha filha, foi o que me ajudou e muito a salva-la. - Um dia ela se engasgou e começou a fica roxa nos meus braços,  precisei realizar os primeiros socorros. -  Quanto as crises do feocromocitoma, diminuíram, mas nunca deixaram de acontecer. Mas, diante de todos os exames normal de imagens, parei de investigar e continuei a minha vida normal, também comecei a trabalhar, ate que os sintomas começam a se agravar. Eu tinha o milagre da vida agora comigo, uma menina linda que fazia a minha vida ainda mais valiosa. Disseram que não seria mãe, mas o meu Deus amado me tornou mãe e ainda me deu uma linda filha iluminada, abençoada, doce e amiga.

Alerta- Gestação em paciente com feocromocitoma, raramente salva mãe e o filho. Coloca a paciente em grave risco de vida. Tem que ser deste o incio com o acompanhamento cardiológico rigoroso, mesmo assim não garante um final feliz como foi o meu caso.
                                                     
Amigos (as). 
Que essa semana seja cheia de surpresas alegre para cada um de nós. Até amanhã com a outra parte, a pior parte que passei por causa da doença, e pelo atendimento medico que deixou muito a desejar.
 Obrigada pelo carinho de cada um de vocês.



                       

domingo, 18 de janeiro de 2015

PORTADORA DE FEOCROMOCITOMA - RESUMO DO COMEÇO ATE AQUI- 1 PARTE


RELATO DO COMEÇO ATE AQUI-  1 PARTE.

Aos 17 anos, estudante, com pais amorosos, uma vida familiar muito boa, sem nenhum tipo de problema existencial. Comecei a sentir distensão abdominal com leve dor no estomago, os médicos começaram a suspeitar de gravidez, era virgem e nunca tinha contato mais intimo, mas tinha namorado e essa suspeita na época foi um trastorno para os meus pais, mas a minha relação com eles eram perfeita. Meu pai era rígido e militar, mas comigo ele era doce, um pai amigo. Me chamou e me perguntou se era verdade e eu afirmei que não. Depois de alguns dias, é claro foi detectando o diagnostico errado do medico. Os meus sintomas não se tratava de nenhuma gravidez. Apresentava mal estar, sudorese, tonturas, muito enjoou. A distensão abdominal passou a aparecer esporadicamente, apareceu  também cefaleia de intensidade moderada após nadar, praia, esforço físico em geral.  Mais um medico fez erradamente diagnostica como sendo enxaqueca, depois passei a apresentar uma forte taquicardia, outro medico achou ser estresse. Como nesse época descobriram endometriose, devido aos meus período menstruais serem terríveis com muita cólica. Comecei a fazer tratamento e com isso muitos cardiologista acharam que era efeito colateral das medicaçoes hormonais (Ladogal e Dimetrose). Que suspendia os meus períodos menstruais e me possibilitava engravidar no futuro, durante esse tempo os sintomas permaneceram, ocorriam esporadicamente, tendo em media 5 crises ao ano. O que dificultou muito o meu diagnostico era que eu sentia os sintomas em casa, durava no máximo 1 hora e quando eu ia para a consulta estava assintomática. Era só o meu relato do intenso mal estar e com os sinas vitais, pressão e etc tudo normal no consultório. Finalmente depois de percorrer vários médicos, um levou o meu relato a serio e começou com isso a investigação para descobrir a causa da taquicardia e dos outros sintomas,  foi administrando medicaçoes para o controle da taquicardia (taquicardia comprovada em um holter 24 horas) mas nenhum tratamento evitava a ocorrência dos episódios, ao da minha primeira entrada na emergência por sintomas do feocromocitoma, foi constado que estava tendo pico hipertensivo, acharam que todos os sintomas que acompanhava era devido ao subido aumento de pressão. A moral da historia é que nem com os sintomas clássicos do feocromocitoma, nenhum medico suspeitou de feocromocitoma. Acharam que a minha pressão alta era devido a dor de cabeça, até hoje me pergunto como eles não sabiam dessa doença. Durante esses episódios tinha cefaleia, pico hipertensivo, sudorese, sintomas clássicos dessa patologia,  enfim eles não descobriram.  O que faltou para os médicos para pelo menos suspeitar que era portadora de Feocromocitoma? Faltou na faculdade ensinar sobre doenças raras? Os médicos, por Feocromocitoma ser raro, não acha viável investigar? Ou muitos que eu busque foi negligentes?  Enfim amanhã relatarei a segunda parte dessa historia, não posso voltar a trás e fazer esse historia mudar o rumo, mas posso alertar para que outras pessoas não passe o que eu passei. Nem cheguem ao ponto que eu estou, sem possibilidade de uma cirurgia que me daria a minha cura, a não ser é claro a esperança de um milagre divino.
Alerta. Quero deixar claro a gravidade dessa doença, que se diagnosticada no começo pode ter cura total, por esse motivo espero que a minha historia sirva como alerta para médicos e pacientes, que apesar de ser uma doença rara existe e todos que tenham sintomas sugestivos devem ser investigados o mais rápido possível, para ter um desfecho favorável. Todos os sintomas persistentes, seja eles quais forem deve ser devidamente investigados. Muitos pacientes vão a óbito dessa doença e só são diagnosticado na necropsia, não só existe essa doença rara no mundo. Medicina não é 100 por cento, por esse motivo todo cuidado é pouco quando se lida com a vida alheia. Todo cuidado é pouco também para quem subestima os seus próprios sintomas, um conselho a todos se sentirem sintomas persistente, busque ajuda medica, tudo no começo há mais possibilidade de resolução.

Amigos(as).

De hoje ate o dia 25, farei varias postagem diariamente sobre a minha historia sobre a minha patologia deste o inicio até o  momento presente. O meu final de semana foi razoável, a minha cachorrinha Dalila ficou doentinha, com isso o meu lazer foi interrompido, mas continuo completamente assintomática e isso é muito bom.

Uma linda semana a todos.
 




quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

FELIZ, FELIZ, FELIZ.


O que é felicidade?  É o que eu sinto nesse momento. É abrir os olhos pela manhã e ver que não é um sonho o que eu estou vivendo, é uma linda realidade, é dormir com sorriso nos lábios e agradecer diariamente pelas gracas alcançadas. Sei que a minha vida, como a de todos podem mudar de uma hora para outra. A minha então é só está me sentindo assim que algo acontece. Quer saber,  vou viver esses momentos maravilhosos da minha vida, completamente assintomática, se passar passou.  Terei as lembranças desse momentos felizes para relembrar, isso para me basta. Enfim, tomei a melhor decisão que poderia tomar na minha vida, estamos felizes e finalmente eu posso dizer eu e a minha família estamos felizes. Quero agradecer primeiramente a Deus pelas gracas alcançadas, agradecer a todos os médicos que com a sua assistência, me deram a oportunidade de aproveitar a linda dadiva que é a vida, a todos os meus amigos(as) Off e virtual, que sempre estão comigo na minha jornada. A minha preciosa filha que é a minha maior tesouro, ao meu amor que me faz ver o sol brilhar ainda mais e aos meus pequenos sobrinhos que me fazem felizes, e a minha família que me ensina dia a dia a crescer espiritualmente, a minha preciosa irmã que Deus colocou aos meus cuidados que me da uma linda lição diariamente do verdadeiro amor e a minha cachorrinha que faz eu sorrir muito.  Porque eu não canso de agradecer ? Porque devemos sempre agradecer as coisas boas da vida rsrs. Agora eu vou aproveitar com alegria, cada minuto precioso desses momentos. 

Amigos(as).
Quero agradecer a todos vocês pela carinho, especialmente a Gracita pelo e-mail, mostrando preocupação com a minha ausência. Obrigada amiga, está tudo maravilhosamente bem, estou é aproveitando a dadiva da vida. Quero agradecer também a querida Evanir pelo presente, um livro espetacular da sua propria autoria, obrigada amiga.  Hoje lendo um lindo poema do Toninho  sobre as maravilhas de pisar na areia , sentir saudade de andar na praia, me deu uma vontade desse final de semana ficar a beira mar. Por esse motivo meus amigos só entrarei no virtual a noite, sei que estou devendo visita a todos vocês e aos poucos vou retribuindo ao carinho de cada um de vocês. Um lindo final de semana a todos, um forte abraço.


  
                                                             

                       

sábado, 10 de janeiro de 2015

MAIS UMA ETAPA DA MINHA VIDA- MUDANÇA DE RESIDENCIA.

     
Mais em obstaculo vencido. Estou feliz sim por está inda para uma casa sem risco para as crianças, e para a minha filha. Todas as vezes que a minha filha descia essa escada, eu me sentia apreensiva, mas confesso que terei saudades um pouco daqui. Por ser uma casa bastante ventilada, mas enfim a vida tem dessas coisas. Não me sinto mais feliz aqui, como sou uma pessoa que não aceita menos de que ser feliz, estou indo em busca de me sentir como sempre feliz com a vida. As coisas mas bela da vida é o amor, o amor mais forte que existe, onde existe amor tudo se resolve,  amar é maravilhoso. Eu vejo a minha vida como uma caminhada, a vida e a morte andam de mãos dadas, ai vem pessoas iluminadas que eu tanto amo, me mostrando o que é o amor, não me vejo no direito de desistir. Independente do que possa ser enfrentado, isso faz parar para pensar e ver que tudo tem um jeito nessa vida. Eu passei uns dias triste, agora estou de volta feliz, cheia de planos,  aceitando as mudanças que eu me propus realizar, não vou perder um dia da minha vida pensando no que passou, como sempre digo para mim passado é passado, eu tenho um presente e tenho fé que Deus está preparando um futuro bem alegre.  Se eu vivo de esperança? Claro que sim, a esperança é o meu suporte diário, sempre pensando que o dia da amanhã é outro dia, mas um dia dado por Deus para mim.  Não sou vitima de nada,  o meu sofrimento é tão pouco diante de uma mãe que leva o seu filho nos bracos e volta para casa sem ele. Quantas mães deste instante perderam o seu filho? Quantas pessoas perderam quem amava? Com certeza essa dor é sim uma dor que nunca conseguimos esquecer. Quando um parte, fica bem distante e não podemos mais ver, ouvir, sentir o seu abraço, escutar a sua risada. Mas mesmo assim devemos continuar, pois sabemos que eles estão em outro lugar, sem dor e sofrimento, seguindo os designo de Deus. Quantos pais de família perderam o seu emprego? Quantos filhos perderam seus pais? Quantas pessoas estão no relento, sentindo fome e frio? O meu sofrimento não é nada comparado a tantos piores. Devo é agradecer e muito por ter onde morar, não me preocupar com o que vou comer, amar e ser  amada, ser mãe de uma menina meiga e carinhosa, ouvir de lábios inocentes um eu te amo,  ter quem abraçar, contar nos momentos difíceis e acima de tudo ser útil para a vida do próximo. Hoje, eu farei com todo empenho, para me mudar com alegria, deixando aqui tudo de ruim que me aconteceu, agradecendo por está saindo todos vivos, unidos é isso que é importante, estamos vivos.  Não estou indo para a casa dos meus sonhos, mas estou indo para uma casa que seremos felizes, é nisso que eu creio, é isso que eu espero. Coloquei nas mãos do meu Deus amado que eu plenamente confio,  a minha felicidade, a felicidade de todos que entrarem no meu lar. Vou deixar o amor fluir de todas as formas e ao futuro a Deus pertence.

Amigos (as). 
Um lindo final de semana, cheio de profundas alegria, não aceite menos do que ser feliz, se não estiver  sai de onde estejam e busque, pois só quem busca acha, na minha opinião até a felicidade deve ser plantada como uma semente, para que floresça a tal ponto que nunca nós falta . Desejo a todos um dia radiante.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

PASSO A PASSO VOU CONQUISTANDO AS MINHAS METAS.

                  


         


Passo a passo eu vou seguindo, conquistando as minhas metas, a vida continua sempre, não pará que você esteja preparada para vive-la plenamente. Eu vivo o hoje, o amanha estrego a Deus.  Pedindo sua luz para iluminar o meu caminho e para que eu possa iluminar os caminhos de quem eu amo. Muitas vezes me sinto pequena diante de muitas situações, mas Deus me torna forte para enfrenta-las. Eu entrego tudo nas mãos do meu Pai Amado. Eu não posso nada sozinha, mas com Deus eu posso tudo, sem Deus nada sou, é o seu amor que me sustenta. Aprendi que cada lagrima é a expressão do nosso sofrimento. Que não há motivo de ser escondidas, nem há motivo de se envergonhar. Não interessa se somos mulher ou homem, temos o mesmo direito de chorar. O choro lava a alma. Desabafar é importante para todos nós. Não sabemos o que nós espera, mais devemos sempre pensar positivamente, não devemos viver de passado, nem viver pensando no futuro, porque quem vive pensando no passado e pensando no futuro, não sobra tempo de viver o presente, que é o que realmente tem um valor inestimável. Seja feliz hoje, corra atras dos seu sonhos, mas enquanto não os realiza; viva, faça, realize. Não espere o amanhá para ser feliz. Seja feliz hoje. A felicidade não depende de ninguém, nem de coisa alguma. A felicidade verdadeira vem de dentro para fora. É essa verdadeira felicidade. É acordar e se sentir feliz por estar vivo. É querer que o dia seja mas longo, para te da tempo de realizar as coisas que você quer. É ao dormir agradecer obrigado senhor por este dia.
Eu sempre dei valor a vida, sempre com muita calma diante de todos os obstáculos que já passei, mas não posso negar que ao presenciar a queda do meu sobrinho algo se partiu em mim, não sei o porque. Estou trabalhando a minha mente para descobrir porque depois desse episodio fiquei tão fragilizada, ou temerosa, Nem sei que nome se dá a isso, mas depois disso fiquei com medo até de está com eles, Fomos a um restaurante que tinha um parque, eles começaram a pintar, subindo e descendo em tudo.   E meu coraçao disparando. Pode ate ser do Feocromocitoma essa extrema reação,  mas sei que tenho que esquecer, é passado. Eles gracas a Deus são crianças normais e vão pintar sim e  não voltará mais a acontecer nenhum acidente.  Sei que preciso me da um tempo, o tempo apaga tudo, isso também será esquecido. A imagem do pequeno Gui sangrando me atormenta, a mente é algo que não entendemos, já sofri tanto, passei por tantas coisas, sem me traumatizar. porque esse episodio me abalou tanto?! Tomei horror dessa casa, dessa escada. Nem palavras tem para expressar o que sinto, conto minutos para me mudar. Os pequenos nem pensar entrar aqui, até entendo ser um exagero a minha reação, mas é dessa forma que eu me sinto, esconder para que?  Hoje ele retorna para o hospital para a retirada dos pontos. Eu te peço meu Deus para ser tudo sem sofrimento, que quem for retirar saiba lidar com uma criança, que ele não sofra mais. Agora é me mudar, esquecer o passado, entregar ao senhor tudo e pedir a ele a paz tão necessária a todos nós para realmente ser feliz.  A vida segue e devemos valorizar cada minuto permitido por Deus.

Amigos (as), um lindo dia.
               






segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

FELIZ JANEIRO.

             

Amigos (as). Um feliz Janeiro. 

Meus primeiros dias do ano foi relativamente bom, apesar de alguns imprevistos, no dia primeiro meu irmão chegou em casa estranho, durante o começo da noite estava já deitada quando sentir um tombo, levantei era meu irmão que tinha desmaiado na varanda, tentei acorda-lo e nada, Estava ligando para ambulância quando ele voltou a si, aparentemente bem. Conseguir carrega-lo com grande dificuldade com a ajuda da minha filha, o que resultou para mim depois uma dor na coluna. Era 00:00 horas quando voltei a dormi. Novamente outro tombo, levantai-me ele novamente tinha caído.Ele ainda se recusava ir para o hospital, tentei de tudo e nada.  Hoje ele está bem, só mesmo com dor nos lugares que machucou. Começou segundo dia do ano, sair  pra arejar a minha cabeça. Na rua a minha pressão subiu subitamente, ocorrendo vomito em plena rua e tontura, com as horas se passando gracas a Deus o meu estado de saúde melhorou, o  terceiro dia foi normal, Dalila foi com a minha filha tosar, confesso fiquei triste por ela ter precisado tosar, mas os pelos com toda essa movimentação de ano embolou, mais agora ela está feiinha, mas ainda é o meu amãozinho, com certeza.  Enfim o ano continua, o ano mudou, não posso me iludir que tudo modificará, mas posso lutar para que isso aconteça, estou buscando outra casa dos meus sonhos para me mudar, passei um tempo achado que essa que eu estou seria a casa dos meus sonhos.  Entretanto, foi o meu maior pesadelo, agora eu sei que tenho que ter outra casa , novos objetivos . Enfim, a vida continua. Hoje estou alegre e cheia de planos. Saído daqui a pouco para ver algumas casas, vou ver também os pequenos que á dias eu não vejo.  Eles estavam viajando, também não quero que eles venham mais para aqui, por isso a rapidez de achar uma casa logo. Todavia, quero fazer isso com calma, olhando tudo, afinal mudança é um saco. Fiz reforma aqui, olho tudo e com certeza percebo que fiz uma tremenda burrada, mas que saber isso também é passado, um lindo futuro me espera. 

Amigos (as), desejo a cada um de vocês um més de janeiro com Jesus dirigindo os seus passos e sua vida, que os próximos meses sejam da mesma forma abençoados.
Um grande abraço.